Passeio em Cusco: Moray, Chinchero e Salineras

Você está pensando em ir para Cusco e não sabe o que tem por lá? Vou te dizer que tem muita coisa para fazer. Vou te contar nesse post de hoje, os três locais que fomos em Cusco e o que você encontra por lá. 



Esse post tem uma ramificação com esse post (bilhete turístico). Uma vez que você precisará comprar o bilhete turístico para ir a Moray. E não, não tem como comprar apenas uma entrada em Moray. Eles só vendem os ingressos do bilhete turístico de Cusco e você precisa tê-lo para poder adentrar os locais. Então, compre antes de entrar no seu ônibus de turismo.

Se você for para Machu Picchu, veja nosso post sobre o Montaña Machu Picchu, aqui.

Vídeo sobre esse passeio

Primeira Parada: Chinchero

A primeira parada foi em Chinchero, mais especificamente no centro têxtil de Paqari Wasi. Ali você tem uma aula de como eles tingem a lã de alpaca, explicam as texturas das lãs e qual a diferença entre a lã de alpaca e a de bebê alpaca.

Mostram também como é feito os itens finais deles e como eles produzem seus tecidos e, obviamente, tem a venda dos produtos. Ah! uma coisa interessante foi que enquanto explicavam sobre os tecidos, um senhor entregava chá de munha e chá de cacau, para que todos ficassem quentinhos enquanto ouvíamos.

Você até tem um tempinho para olhar a praça central, que fica literalmente atravessando a rua do centro têxtil. Entretanto, isso vai depender do seu guia turístico e se ele tem algum outro tour para fazer depois das 4 da tarde. (o seu passeio começará às 09:00 e irá até às 04:00).

Nós perdemos o começo da explicação das tecelãs para poder ir até esse centro e tirar algumas fotos, já que nosso guia estava sim com pressa. Só que deu pra entender todo o preço das tecelãs e ainda de quebra comprei um cachecol de lã de alpaca. Já me perguntaram se eu tinha certeza se era lã de alpaca mesmo, e eu vou te dizer que eu acredito. O que vale é acreditar, né? O tecido de fato tem uma consistência diferente dos outros cachecóis que tenho em casa e ele é mais gelado, até quando o clima está quente.

Segunda Parada: Moray

Aqui em Moray é possível você comprar o bilhete turístico parcial 3 (falei sobre os bilhetes aqui). O que pode te ajudar caso você tenha esquecido de comprar o seu. Lembre-se que nem todos os locais arqueológicos tem bilheteria para venda de bilhetes turísticos e isso pode te impedir de entrar e conhecer, viu?

Em Quechua (idioma local e dos incas) essa localidade significa forma circular e baixa. O que você pode ver que faz todo sentido, olhando pelas fotos. Porém, Moray, em específico, é uma “tradução” que os colonos espanhóis deram para esse local, já que eles não sabiam falar Quechua e fizeram sua tradução. Igual quando incorporamos algo em inglês, porém, não falamos como os nativos, entende?

Cada um desses degraus, eram usados para algum tipo específico de plantação. Já que possuem temperaturas diferentes, como também no ponto mais baixo o vento não chega da mesma forma que o vento passa no topo. Você também pode reparar que as escadarias, são lateralizadas e não encostam o solo. Isso se dava ao fato de que cada canto possível, era usado para plantação.

Essas pedras que vocês veem na foto, faziam parte da estrutura dos círculos. Elas não ficavam dessa forma, sobre o solo da plantação. Porém com possíveis terremotos, as pedras rolaram e ficaram fora de seus lugares. Para não interferir na construção, eles juntaram as pedras e deixaram-nas em seus locais (no local que rolou), mas não tentaram recolocá-las.



Terceira parte: Loja do Sal de Maras e Pichingoto

Antes de chegar propriamente nas Salineras, o ônibus de turismo para em uma loja que vende os sais naturais que veremos na Salinera de Maras. O motivo dessa parada? Obviamente um acordo comercial entre as empresas de turismo e essa loja, já que nas Salineras também possuem os mesmos itens vendidos aqui.

Eu verifiquei os preços e não vi diferença entre os vendidos ali e na salinera, então, aproveite que você já parou ali mesmo. Nós compramos vários saquinhos pequenos de sal para darmos de lembrança para nossos familiares. Sim, sou dessas que compra item típico do local, dessa vez foi sal (3 pacotes por 10 soles). Ah! e tem também sais de banho, para quem curte.

Essa da foto é na Salinera mesmo. Eu fiz vídeo na loja e assim que o vídeo estiver no ar, atualizo aqui pra vocês.

Quarta Parte: As Salineras

O processo das Salineras em Maras e Pinchingoto é diferente do processo que conhecemos do nosso típico sal marinho. No sal marinho, a água já é salgada e realizam o processo de dessalinização, para então, retirar o sal da água. Já o sal dos incas, vem de nascentes no meio das montanhas, que são de água doce. Nesse processo em que elas passam pelo meio das rochas das montanhas, a água adquire os sais minerais das rochas, tornando-se salgada.

Como você pode ver nas fotos, é ali que ocorrem as dessalinização, por meio de vaporização. Eles deixam a água evaporar e retirar os sais que ali encontram-se. Quando chove, esse local fica cheio de barro e, então, precisam realizar um processo diferente para a retirada do barro e do sal, porém, esse processo eu não consegui compreender corretamente quando o guia explicou. Fica ai a minha pergunta para você, pergunte ao seu guia e depois me conte.

Eu ficaria mais dias em Cusco?

Com certeza! Do bilhete turístico que compramos, só fomos em dois lugares + as salineras (que são a parte e você paga 10 soles). Ainda gostaria de conhecer a montanha colorida (que precisaria de 1 dia inteiro), Pisaq, Sacsayhuamán, Arequipa. Vixi, muitos lugares.

A cidade me surpreendeu positivamente. Além das coisas que você pode fazer por ali (que teremos outro post sobre), você pode ir as cidades vizinhas e conhecer ainda mais sobre os indígenas (Quechuas) da região. E olha que eu pensava apenas que ficaria um dia para climatizar e não iria querer voltar ali, grande engano, grande engano.



 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.